Antinori: O Rejuvenescimento do Chianti e a Ascensão dos Supertoscanos

 

O Perfume do Chianti

O Perfume do Chianti: História de uma Família. Rio de Janeiro, Editora Rocco, 2012, R$ 39,50.

Este é o livro de memórias de Piero Antinori, o homem no comando de uma das mais importantes vinícolas da Europa, a Marchese Antinori, que produz vinhos mundialmente famosos e premiados, como o Solaia e o Tignanello.

Neste livro ele narra a sua trajetória na vinícola dos Antinori, família italiana com tradição de mais de seis séculos na produção e comércio de vinho, cujo comando ele assumiu em 1966. Ao longo da narrativa, ficamos sabendo das condições de como foram concebidos os vinhos mais famosos da casa e como uma vinícola de características basicamente familiar se transformou em um império mundial, com ramificações até no Napa Valley, nos Estados Unidos.

A revolução dos Chianti

Os Antinori fizeram uma revolução na produção e comercialização do chianti, tradicional vinho produzido na região Toscana, que até a década de 70 do século passado era sinônimo de vinho barato, engarrafado em frascos cobertos de palha, de pouco corpo e altamente ácido, gozando de baixo prestígio fora da Toscana.

Uma garrafa de vinho Chianti

Uma garrafa de vinho Chianti revestida de palha

Piero narra as dificuldades que os Antinori tinham em colocar seus vinhos nos melhores restaurantes das grandes capitais européias, devido ao baixo prestígio que este possuía.

Piero nos conta neste livro das melhorias nas técnicas de vinificação, a introdução de cepas francesas como a Cabernet Sauvignon em seu vinhos e as resistências enfrentadas pelos produtores tradicionais da Toscana, que diziam que os novos vinhos não eram mais o velho e querido chianti deles. Outra medida importante foi a redução na produção por hectare.

Os Supertoscanos

Outra revolução importante foi a que culminou com a criação dos chamados supertoscanos, hoje mundialmente conhecidos e com preços lá nas alturas.

Um outro produtor da Toscana, Mario Inciso della Rochetta, primo do pai de Piero, iniciou a produção de um vinho chamado Sassicaia, feito com Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon. Este vinho foi lançado no mercado pelos Antinori em 1968 e foi recebido com entusiasmo pelos críticos e público. Logo os Antinori lançaram seu próprio vinho neste novo estilo, o Tignanello, com uma mistura de 80% de Sangiovese e 20% de Cabernet Sauvignon.

vinho Tignanello Antinori

Uma garrafa do supertoscano Tignanello

Como estes vinhos não eram produzidos de acordo com as legislações da Toscana, eles não podiam ostentar o selo de qualidade em seus rótulos e, oficialmente, eram classificados como vinho inferior. No entanto, a qualidade destes vinhos se impôs e a legislação foi alterada em 1992, e a partir daí eles passaram a ostentar a classificação Indicazione Geografica Tipica em seus rótulos.

O livro conta toda esta história em detalhes e mostra como a família Antinori teve papel importante nos episódios mais importantes. Vale a leitura, com certeza!